É comum tratarmos a reciclagem como um conceito simples, comportamento recorrente e/ou inconsciente. Entretanto, é necessário ressaltar que a reciclagem é um complexo sistema, inserido em um ainda maior – a sustentabilidade, área muito discutida e propagada, visando essencialmente o cuidado com o meio ambiente. Está presente no cotidiano de uma população em diversos âmbitos, do industrial ao doméstico, da atitude mais simples de separar os tipos de lixo no domicílio até a criação de projetos de proteção animal.

Este é um campo em que todas as pessoas necessitam estar atuantes, para atenuar de forma progressiva as consequências ambientais na atualidade.

Entenda mais sobre reciclagem

Novamente retornando ao conceito de reciclagem, é conhecido como um dos três “R’s” do território sustentável, justaposta à reutilização (utilizar um objeto “inútil” para outra função que não o descarte pós-uso) e à redução (cautela com o consumo e estratificação de matéria-prima do planeta). Trata-se do reprocessamento de materiais sólidos que denominamos lixo, transformando-os em matéria-prima ou produtos novos para o mercado. Um fato histórico interessante, é que esta prática vem desde o Império Romano, onde as armas de guerra eram refundidas com o fim dos combates para a produção de outros objetos nas civilizações da época.

Estamos rodeados de ideias postas em prática no espaço de uma cidade, em relação a este tema, como objetos/utensílios renováveis, latas de lixo separadas por cores e tipos de materiais coletados, coletas em dias específicos (em algumas cidades), e muitas outras ações. Contudo, um problema é frequentemente desamparado: a vasta quantidade de sucata produzida diariamente no contexto urbano, inclusive o rural.

Existem inúmeras variantes da sucata de metal no mercado, com diferentes composições, de acordo com o destino final do material. Todas estas peças residuais foram, anteriormente, partes de algum produto ou máquina, em que o descarte em locais inadequados leva à oxidação por múltiplos fatores, tornando-as lixo (sucata). As principais quantidades destes resíduos derivam principalmente de:

  • Estruturas de construção civil;
  • Partes de veículos (industriais, coletivos ou individuais);
  • Matérias-primas mal armazenadas;
  • Dispositivos eletrônicos;
  • Roupas e calçados;
  • Eletrodomésticos diversos;
  • Entre outros.

Entre as categorias deste material, a sucata ferrosa domina os índices de quantidade encontradas, acentuando discussões e análises dos mais variados campos de pesquisa. Toneladas são coletadas a todo mês, segundo estudos de várias organizações do ramo. O nome faz jus à composição comparada a outras peças metálicas: elas são feitas de grande parte de ferro, adicionados geralmente com cobre e outros metais.
O principal resultado desta mistura é o aço, utilizados para fins de todo tipo. Antes de se tornarem sucata de ferros, são, majoritariamente, presentes no contexto construtivos: compõem máquinas, ferramentas, ou estruturas de pontes, por exemplo. A sucata de zamac, menos conhecida, rara e mais complexa, é uma outra categoria deste lixo. Produzidas por zinco (elemento químico Z), alumínio (A), magnésio (Mg) e cobre (Cu) – em que suas iniciais na tabela periódica compiladas dão origem a nomenclatura –, são anteriormente destinados à produção de roupas e calçados, eletrodomésticos, etc.

A coleta é o primeiro passo para concluir o processo de reciclagem

O cuidado individual na coleta destes metais é primordial para sua transformação. O próximo passo, é encontrar uma cooperativa que receba estes objetos, apta a processá-los de maneira sustentável, garantindo assim um ciclo contínuo de reciclagem na sociedade.

A transformação deste ferro velho, é de grande importância, levando em conta a constante onda de produção necessária no mundo hoje, pela alta demanda da população. Os custos de reconstituição destes componentes são pequenos, a qualidade dos produtos renováveis é facilmente identificada, além dos valores ecológicos que estas ações trazem – que elevam o nível de ideais conscientes, seja de uma pessoa, um grupo ou uma empresa.
No que diz respeito às consequências positivas da prática reciclável, estudos em campos científicos variados são produzidos constantemente, explicitando a necessidade desta ação e conhecimento por parte de todas as pessoas. Entre as principais, salientam-se:

  • Garantia de qualidade dos produtos/substratos reciclados;
  • Estratificação dos recursos naturais diminuída;
  • Menor uso de energia, consequentemente, um custo menor de produção;
  • Possibilidade de novos empregos (coleta, processamento e transporte);
  • Menor emissão de poluente, especial o gás carbônico (CO2);
  • Incentivo a avanços no campo da sustentabilidade;
  • E muitas outras vantagens impactantes na sociedade.

No Brasil, com o surgimento de cooperativas de reciclagem de metais desde meados da década de 40, período importante no desenvolvimento industrial do país, locais para coleta e reciclagem específica para sucata, podem ser encontrados em todo o território nacional. A discussão sobre o universo da reciclagem necessita de cada vez mais espaço, sobretudo no âmbito educacional, industrial, político e corporativo. Grandes avanços já foram alcançados, que devem ser comemorados; contudo, os avanços constantes são essenciais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *