Independente do segmento, toda indústria gera resíduos durante os processos de rotina. Os efluentes industriais (líquidos, gases ou rejeitos) são um exemplo disso. Para cumprir a legislação ambiental e evitar que os efluentes contaminem a natureza, é preciso investir no tratamento adequado.

Por isso, há Empresas de Tratamento de Efluentes que oferecem os serviços de forma personalizada, considerando a atividade industrial e o tipo de resíduo que ela produz.

Quando se pensa em efluentes, há muitas variações que podem interferir na forma e no tempo de tratamento. A indústria alimentícia, por exemplo, gera uma série de resíduos por conta da lavagem dos alimentos e outros processos. Tudo o que sobra dos produtos alimentares (de restos orgânicos até mesmo a água suja), precisa de uma transformação para não se tornar uma fonte de doenças.

Uma das técnicas mais comuns para descontaminar as substâncias é a utilização de Equipamentos para tratamento de efluentes como as estações de tratamento de efluentes industriais.

Mas, dependendo da situação, há outras estratégias que podem melhorar os resultados. Independente do cenário, não tem como as indústrias ignorarem esse problema. Se você quer saber mais sobre como funcionam os processos, equipamentos e serviços para tratar os efluentes, este artigo é para você!

Equipamentos para tratamento de efluentes

As estações de tratamento de efluentes (tradicionais ou compactas) estão entre os Equipamentos para tratamento de efluentes mais comuns.

Na prática, as estações são compostas por várias “caixas” que armazenam os rejeitos. É dentro das ETEs que que as substâncias passam por transformações químicas, físicas e biológicas até perderem a toxicidade.

Nessa condição, todo o processo é feito em fases que vão desde a filtragem inicial dos resíduos até a adição de produtos quimicos que transformam, degradam e removem a poluição da matéria. Mas, como saber qual é o equipamento mais adequado para a indústria?

Essa é uma dúvida muito válida. Afinal, uma estação de tratamento funciona em conjunto com uma série de outros equipamentos, que são acionados de acordo com a fase do tratamento. São exemplos:

  • Equipamentos para dosar produtos quimicos;
  • Decantador (para filtrar/separar elementos sólidos de líquidos e outras substâncias);
  • Peneiras industriais;
  • Filtros.

O uso desses dispositivos depende muito do grau de contaminação do efluente, da densidade da substância e também da reação em cada fase do tratamento.

Como há muitos detalhes que envolvem esse processo, é cada vez mais comum que as indústrias contratam Empresas de Tratamento de Efluentes para executar esses serviços.

Além de otimizar o tempo e o trabalho operacional (instalação de equipamentos, compra de produtos, capacitação profissional), investir nessas parcerias garante que a indústria tenha uma rotina correta.

Todas as vezes que os efluentes são descartados sem nenhum tipo de descontaminação, há uma série problemas que refletem no meio ambiente. A contaminação da água e da rede de esgoto, a proliferação de doenças, a destruição do ecossistema e a poluição do solo são apenas alguma consequências.

Por esse motivo, é fundamental que as indústrias executem, ou contratem parcerias, para realizar esse processo com excelência.

Licenciamentos ambientais

Seja para a instalação de estações de tratamento ou para o funcionamento da indústria em si, é preciso estar com o licenciamento ambiental em dia.

Essas autorizações são determinadas por órgãos como o Ibama e outros fiscalizadores ambiental. As exigências podem variar de acordo com a atividade da indústria, o local da empresa e a avaliação dos riscos que a atividade proporciona.

Independente disso, todas as diretrizes desses licenciamentos fazem parte da Lei nº 6.938/81, da Política Nacional do Meio Ambiente. Vale ainda destacar que o não cumprimento dessas regras, pode acarretar em multas, fechamento da indústria e outras consequências dependendo do crime ambiental causado.

É importante saber que além da legislação nacional, cada município tem suas particularidades. No interior de São Paulo, por exemplo, Campinas é considerado um pólo industrial forte do estado. De acordo com O Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), entre janeiro e outubro de 2018 as atividades industriais na região geraram 2,4 mil empregos no setor.

Diante disso, é natural que o Licenciamento ambiental campinas para as indústrias tenha uma série de exigências diferentes em relação a outros municípios.

Entre as características do município, a presença do Rio Atibaia, é um ponto que reforça estratégias específicas e complementares para evitar a contaminação da água. Esse rio é responsável pelo abastecimento de água de 95% do município. Por isso, todas as indústrias que trabalham no local precisam cumprir as especificidades do Licenciamento ambiental.

Independente da indústria, dos serviços ou dos equipamentos usados para tratar os efluentes, é importante que as indústrias exerçam seu papel de responsabilidade. Afinal de contas, rejeitos tratados proporcionam benefícios como:

  • Mais qualidade de vida para a população;
  • Menos devastação ambiental;
  • Menor desequilíbrio no ecossistema;
  • Preservação das riquezas naturais;
  • Menos problemas de saúde.

Ou seja, tudo o que ajuda a evitar gastos futuros, crimes ambientais e preservar os recursos naturais do meio ambiente é válido. Por isso, é fundamental que as indústrias melhorem esses processos. De forma interna ou terceirizada, o importante é evitar o vazamento de substâncias na natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *