Quando falamos em peixes para lagos artificiais você pensa imediatamente naquelas carpas laranjas e exuberantes indo pra lá e pra cá? Nós também. Mas saiba que existem outras espécies para habitar essas águas. Conheça um pouco mais sobre cada uma delas: 

Carpas

As famosas carpas são belas, exuberantes e… grandes! Sim, elas podem crescer bastante, mas se desenvolvem de acordo com o meio em que vivem. Ainda assim, para que esse peixe evolua bem, a dimensão do lago de pedra artificial deve ser de, no mínimo, 3 metros cúbicos de água e 50 cm de profundidade.

Outro fator que torna a carpa bastante popular em lagos é o fato de que elas são muito resistentes a baixas temperaturas. Isso não é exatamente uma questão aqui no Brasil, mas torna menos preocupantes os dias mais frios do inverno.

Para os orientais, observar o nadar majestoso das carpas é suficiente para trazer paz e equilíbrio para enfrentar a rotina diária. Tente fazer isso um dia. Se não chegar a desestressar, pelo menos terá presenciado um espetáculo para os olhos.

Kinguios

Conhecido como peixe-japonês ou peixinho dourado, o kinguio é, na verdade, de origem chinesa. Disputa com a carpa o posto de popularidade, afinal essa espécie também aparece em muitos lagos por aí, principalmente por causa de seu temperamento dócil e sociável.

As variedades mais antigas são as que se adaptam melhor a lagos ao ar livre, já que suportam bem as baixas temperaturas e não precisam de aquecimento. Não chegam ao tamanho de uma carpa, mas crescem bastante. Se um kinguio jovem precisa de 5 a 10 litros de água em seu habitat, os adultos já demandam de 10 a 30 litros.

Peixe onívoro, na natureza ele se alimenta de pequenos insetos, vegetais, crustáceos e seu sistema digestivo está adaptado a esse tipo de alimentação. Por isso, devem receber ração adequada para evitar problemas.

Peixes Poecilídeos 

Fazem parte desse grupo peixes como espadas, platis e molinésias. Eles também são dóceis, mas, diferentemente das espécies anteriores, adaptam-se melhor a locais mais quentes, com pouca variação de temperatura.

Importantes para a limpeza do ecossistema, eles conseguem comer larvas e mosquitos que muitas vezes estão em rochas e não são alcançados pelos peixes maiores. E ainda são capazes de encontrar comida com o que estiver no lago, sem precisar de uma alimentação diferenciada.

Eles também sabem muito bem ocupar o espaço que possuem: ficam zanzando para lá e pra cá, sempre em cardumes, oferecendo mais um belo show visual. De qualquer modo, vale o alerta: se reproduzem facilmente, então se você não quiser ter uma superpopulação de peixes, tenha cuidado.

Afinal, podemos colocar todos esses peixes juntos no lago ornamental? Bom, para essa mistura dar certo, procure aqueles que têm o mesmo perfil, tanto em relação ao comportamento, como outras características, como hábitos alimentares e temperatura da água.

Mais uma dica importante: os peixes para lagos ornamentais devem ser escolhidos antes da construção deste, assim você saberá qual a profundidade ideal, o tipo de filtro e de planta para ter ali. Aliás, entender um pouco mais sobre filtro para lagos é essencial, pois eles funcionam como o tratamento de esgoto do local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *