Você se lembra das aulas de Geografia, quando tinha que estudar sobre os fenômenos que podem ocorrer com os rios e córregos das cidades, quando há muito lixo depositado neles? Ou, quando chove e a água da chuva escoa sedimentos do solo, terras de construções ou de parques e tudo desemboca no interior desses rios e córregos? Pois é, isso se chama assoreamento. Vamos ver quais seus malefícios e o que pode ser feito para promover o desassoreamento.

O problema do assoreamento dos rios

O assoreamento, por si só, é um problema, mas as consequências do assoreamento dos rios são devastadoras. Primeiro, vamos conhecer suas causas, afinal, nada mais justo do que saber quem, ou o que é, responsável por esse problema, antes de saber suas consequências ou como resolvê-lo.

O assoreamento muitas vezes é causado por fatores naturais. Por exemplo, é natural que a chuva faça uma lavagem do solo e que os sedimentos retirados da camada superficial dele, sejam carregados pela água até os rios. Mas não é, exclusivamente, esse o caso que vem acontecendo.

Há uma vegetação, conhecida como mata ciliar, que é a vegetação que fica nas margens dos rios para “protegê-los”, ou melhor, tentar evitar que sedimentos ou objetos de fora caiam nos rios. Porém, essa mata ciliar vem sendo desmatada pelo ser humano, e isso está causando um impacto enorme no meio ambiente.

Sem a proteção da mata ciliar, todos os sedimentos escoados pela chuva, ou qualquer tipo de lixo que esteja na rua, tem um caminho livre para cair no interior dos rios. E, se a velocidade da corrente do rio for baixa, todos esses sedimentos e objetos afundam. É, justamente, aí onde o problema reside, pois a partir do momento em que há sedimentos em excesso no fundo do rio, o nível da água sobe. Assim, basta uma chuva um pouco mais intensa, para que o nível de água dos córregos ultrapasse o seu limite e a cidade receba uma enchente. E nem é preciso mencionar todos os outros problemas governamentais e de infraestrutura que se evidenciam nas enchentes.

Como resolver esse problema e como a lei ajuda?

A resolução do problema passa por vários níveis, desde uma redução na deposição de sedimentos diretamente nos rios, até o desassoreamento de fato. Primeiramente, é importante solicitar medidas preventivas e de conservação da mata ciliar às instituições governamentais. Atualmente, existe uma legislação que contempla o assunto e obriga manter uma determinada área de mata ciliar ao longo do curso dos rios, mas a fiscalização é falha e observa se a lei está sendo cumprida e respeitada. A garantia de uma mata ciliar presente é um grande avanço.

Agora, é importante discutir sobre o desassoreamento de córregos e rios. Para que esse processo se concretize é importante, antes de tudo, a obtenção de uma licença ambiental. Isso se deve ao fato desse processo afetar os cursos d’água e as margens dos rios. Portanto, a empresa responsável deve estar de acordo com o órgão de recursos hídricos locais e com a Secretaria do Meio ambiente.

Conseguir essa licença é importante, pois, assim, garante-se que há uma análise técnica das condições em que o processo será realizado e uma avaliação para constatar se ele agredirá ou não, de forma exagerada, o curso do rio ou a mata ciliar.

É importante lembrar que não existem apenas rios e córregos, mas também, lagoas, que são afetadas pelo assoreamento, e que exigem preocupação da nossa parte.
Mas, como então, realizar o desassoreamento de lagoas, ou de rios e córregos? O processo mais comum é a dragagem. Vamos conhecer um pouco mais sobre ela:

  • É feita com dragas (embarcação equipada para remover sedimentos);
  • Também precisa de uma licença ambiental;
  • Atua na remoção de sedimentos, como areia e lodo;
  • Realizada tanto em rios e córregos, como em lagoas;
  • Pode remover os sedimentos através da escavação ou sucção dos mesmos;
  • A sucção tem melhor custo-benefício e menores impactos ambientais, ou seja, é a mais fácil de obter licença.

Esperamos que após a leitura desse texto, você tenha entendido o problema do assoreamento, suas consequências, como é realizado o desassoreamento de lagoas, rios e córregos e que tipo de licenciamento ambiental é necessário para que esse processo ocorra de maneira saudável para a manutenção da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *