A análise de solo é essencial para o planejamento de construções civis, porque é através do diagnóstico técnico que é determinada a quantidade e qualidade das matérias orgânicas e minerais que compõe o solo.

A análise do solo também determina os processos das particularidades fundamentais do projeto, como a proporção de argila contida no solo e as características físicas, como elevação, drenagem e localização.

Por que a análise de solo é tão importante?

Em construções como arranha-céus, estádios e shoppings, por exemplo, é necessário realizar uma sondagem, para ver em que nível do solo a camada é mais resistente.

Em geral, a melhor camada do solo para se realizar essas construções é o leito rochoso, que permite uma melhor sustentação à fundação da obra.

Sabendo que a fundação é a etapa onde se deve haver mais planejamento, porque é ela que impede que a edificação possa apresentar rachaduras e futuramente venha a cair.

Graças aos métodos de produção moderno à frio (que não necessita aquecimento de metais para a produção de itens), peças mecânicas como o parafuso atarrachante, porcas e rebites estão cada vez mais resistentes.

As características do solo podem se dividir em:

  • Rochas (terreno rochoso);
  • Solos arenosos;
  • Solos siltosos (substâncias mais finas);
  • Solos argilosos.

Na agricultura, a análise de solo completa implica em uma plantação mais sustentável, porque é através dela que o agricultor saberá da limitação de nutrientes.

Além o nível de fertilidade do solo no qual deseja realizar o plantio. Sabendo dessas características o agricultor agirá de uma maneira mais assertiva no processo de adubação, gerando menos impacto ao meio ambiente.

A análise laboratorial extrai e quantifica os nutrientes que compõem as camadas de terra, sabendo que os solos arenosos iguais ou menos que 15%, devem ter mais frequência na retirada de amostras.

A frequência de amostragem do solo, pode ter diferentes espaços de tempo, que variam entre 1 a 4 anos (dependendo da intensidade de uso do solo).

Ou seja, estruturas que sofrem muitas mudanças geográficas em áreas com argila igual ou superior a 15% devem ter este intervalo de tempo reduzido.

A época ideal para a retirada das amostras antes do plantio é cerca de 3 a 4 meses. Nas culturas anuais, é cerca de 3 a 4 meses antes da semeadura.

A análise de solo deve ser realizada, na agricultura, assim que houver a substituição ou inclusão de novas culturas como morangos, batatas, mandioca, etc.

É indicada a amostragem para a indicação correta do uso de calcário e água para correção solo e para designar a melhor calagem (adubação) para determinada cultura.

Saiba quais são os cuidados necessários para realizar a análise

Alguns cuidados devem ser tomados na execução da retirada da amostra de solo para maior assertividade na quantificação e qualificação do laboratório, na amostra coletada.

Não retire amostras perto de formigueiros e cupinzeiros, pois isto pode designar alterações quanto ao resultado laboratorial do solo.

Assim que retiradas estas amostras, elas devem ser secas à sombra, após se ter triturado todos os torrões de terra, a fim de homogeneizar toda a terra.

É importante separar a terra de itens ferrosos pequenos como prego, rebites, anéis de latinhas, etc., pois estes também podem apresentar avarias nas amostragens.

Na agricultura, devem-se diferenciar as áreas que já foram fertilizadas anteriormente com grade de isolamento, ou algum objeto que demarque essas áreas das demais.

A fim de separar as amostras de solo virgem do solo já fertilizado. Para a retirada das glebas alguns equipamentos específicos serão necessários:

Trado Holandês

É o mais indicado para a retirada de amostras em profundidades médias e profundas, são normalmente constituídos por aço. O Trado Caneco tem a mesma função que o Holandês.

Possuem uma haste prolongada e um cabo que, através de um grande esforço físico, é possível retirar a gleba de terra pela espécie de “batedor de bolo” (caçamba), em sua terminação.

Trado Rosca

O trado tipo rosca se assemelha ao mecanismo de um parafuso. Sua rosca helicoidal, quando rosqueada no solo, permite que seja retirada uma porção de terra ao ser puxado de volta pelo cabo. É revestido de aço e sua haste e cabo são similares ao trado holandês.

Na construção civil os diferentes níveis topográficos, como declives e aclives também devem ser separados por grade ou objeto sinalizador.

Um para a demarcação da coleta de amostra correspondente a cada nível topográfico. Também deverão ser retiradas amostras de áreas, que apresentem diferentes variações de cores.

A retirada da gleba (porção de terra) para a análise, pode ser realizada em qualquer época do ano, são coletadas normalmente cerca de 20 amostras. Estas de toda a cobertura da área onde será realizada a intervenção de obras ou culturas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *