Quando se fala em segurança, a primeira coisa que se pensa é em proteger-se de criminosos. Poucos se lembram que pessoas mal-intencionadas não são a única coisa a se temer em sua casa ou empresa: também é preciso se proteger da natureza.

Acidentes, como incêndios, choques, e até mesmo risco de caírem raios, podem vir a acontecer e, para isso, devemos nos prevenir.

Segundo o Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Brasil é o país com maior incidência de raios do mundo.

Entre 2000 e 2014, 1789 pessoas morreram por raios em nosso país; 17% destas estavam dentro de casa.

Cerca de 50 milhões de descargas elétricas são registradas todo ano, 90% delas durante a primavera e o verão. Os números assustam e crescem mais a cada ano.

Como se proteger de descargas atmosféricas?

O SPDA, ou Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas, são hastes metálicas colocadas no topo de prédios, conectadas à terra por cabos condutores, geralmente de cobre.

Quando uma nuvem eletrizada passa pelo equipamento, cargas de sinal oposto ao da nuvem são induzidas nas pontas da haste.

O campo elétrico se intensifica até ultrapassar a rigidez dielétrica do ar, ionizando-o e formando um caminho condutor até as nuvens e provocando descargas elétricas, que são conduzidas ao solo pelos cabos. São os famosos pára-raios.

Existem três tipos de para raio que são comumente utilizados na atualidade. O para-raios de Franklin é o conceito mais comum do equipamento, citado acima: leva a corrente das hastes para o solo.

O para-raios de Melsens segue o mesmo princípio, aliado à Gaiola de Faraday, sendo colocada uma malha de fios e hastes, envolvendo o edifício.

O para-raios radioativo foi proibido no Brasil em 1989, pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), por meio da Resolução Nº 4/89.

O Sistema de proteção contra descargas atmosféricas deve seguir a norma NR-10, assim como a NBR 5419 da ABNT, que são as normas regulamentadoras para para-raios.

Ele é um documento obrigatório, com validade de 1 a 3 anos, necessitando de inspeção visual a cada 6 meses, na construção do sistema, e em caso de reformas e queda de raios.

É importante frisar que o laudo spda só pode ser emitido por um profissional legalmente habilitado, como, por exemplo:

  • Engenheiro eletricista;
  • Engenheiro mecânico–eletricista;
  • Engenheiro de produção, modalidade eletricista;
  • Engenheiro de operação, modalidade eletricista;
  • Tecnólogo na área de engenharia elétrica.

A história de nosso país também é cheia de incêndios que marcaram a população.

Grande parte destes poderia ter sido evitada se os locais cumprissem as normas de segurança e houvesse o treinamento de funcionários para esse tipo de situação, como manda a legislação.

O incêndio de grandes proporções mais recente, que chocou a população brasileira, foi no edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paissandu, em São Paulo.

Segurança contra incêndio

O AVCB, ou Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros, é um documento que oficializa a segurança contra incêndios em edificações.

Em São Paulo, ele é um documento obrigatório para todos os tipos de empresas, sujeito à multa de até R$10.000,00, dependendo da gravidade da infração.

Eventos temporários, como circos ou eventos feitos em prédios que não têm essa finalidade, também precisam do Auto de Vistoria.

Acima de tudo, o documento serve para garantir que o prédio passou por uma vistoria e que promoverá a segurança das pessoas que o visitarão. Empresas de seguro costumam pedir esse documento antes de fechar um acordo.

Para emitir um AVCB preço, é preciso, primeiramente, identificar a categoria do seu imóvel, pois o processo depende da metragem.

Depois é preciso providenciar a ART (Anotação de Viabilidade Técnica), assinada por um profissional com informações sobre os possíveis riscos que a edificação apresenta.

Após o pagamento de taxas de solicitação, é preciso apresentar um Projeto Técnico.

Em um prazo de até 30 dias, os bombeiros avaliarão o Projeto Técnico, que será executado antes da vistoria. O laudo spda é um dos documentos obrigatórios para a obtenção do Auto de Vistoria.

Vale lembrar que nenhum dos dois documentos garante 100% de segurança.

Entretanto, além de serem obrigatórios em muitos estados brasileiros e para diversos tipos de edifícios, eles garantem que uma maior proteção exista em caso de acidentes, algo que pode salvar muitas vidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *