Uma empresa de ete é nada mais do que uma instalação que tem como função tratar o esgoto doméstico (produzido na cidade), limpando assim a água das substâncias impuras e dos microrganismos que são nocivos à saúde e ao meio ambiente.

Por fim, a água é tratada e devolvida aos mares e rios, podendo também ser reutilizada em processos da indústria e na irrigação.

Por conter um processo físico onde assemelha-se ao natural, a depuração da água é feita de maneira mais rápida e eficiente, limpando assim as correntes oriundas das pias, ralos, chuveiros, até chegar então em uma “boca de lobo”.

Estação compacta

A Ete compacta é o produto mais procurado dentro do mercado de saneamento, porém não se faz tão claro seus mecanismos quanto ao funcionamento, rotinas de operação e suas medidas de controle operacionais, tornando, às vezes, tal equipamento uma caixa de surpresas para o usuário.

Suas tecnologias usadas são as mais tradicionais, como, por exemplo:

  • Tratamento biológico: anaeróbio, aeróbio e anóxico;
  • Tratamento físico-químico: decantação, flotação e precipitação.

No caso do tratamento ser aeróbio, ele contará com a presença do oxigênio. Em contra partida, o tratamento anaeróbio trabalhará na ausência desse elemento.

No tratamento anóxico, não encontramos o oxigênio, mas sim, nitrato ou, até mesmo, sulfato. Já os tratamentos físico-químicos atuam como complementos, removendo os sólidos suspensos.

São diversos os estabelecimentos que necessitam de uma ete, podendo citar:

  • Construção civil;
  • Fábricas de cerâmica;
  • Indústria de bebidas;
  • Funerárias;
  • Indústria alimentícia;
  • Indústria de cosméticos.

Sistemas aeróbios

Em relação aos sistemas que utilizam o método aeróbio, sua principal vantagem é a não geração de odores (não formação de gás sulfídrico).

Além disso, os lodos provenientes não são tão digeridos em comparação aos dos reatores UASB, podendo ser desaguados mecanicamente ou em leitos de secagem tradicionais.

Nesse sistema, os microrganismos vão degradar as substâncias orgânicas, fazendo a comparação com alimentos, onde tais substâncias servirão de fonte de energia a eles, mediante aos processos oxidativos.

O efluente necessita ser submetido e passar por temperaturas específicas. Recomenda-se que o pH e o oxigênio dissolvido estejam controlados também, de forma a obedecer e cumprir a relação da massa com seus nutrientes de demanda biológica (que variam com a biota de cada sistema).

A separação de sólidos

Muitas técnicas existem no mercado atualmente, porém a mais procurada é a flotação por ar dissolvido. O mecanismo de flotação é aquele em que há a separação dos sólidos, podendo ser realizada também por meio de filtração ou decantação.

Mais comumente utilizado, a flotação por ar dissolvido tem como função apartar os flocos oriundos do processo de clarificação (seja por adição ou não), realizando o pré-tratamento de efluentes.

Os flocos formados contêm densidade menor em relação ao meio que estão (aquoso), por isso ocorre (por meio de empuxo) sua flotação, para assim posteriormente ocorrer a sua remoção.

Seu mecanismo é a base de bombas que recalcam uma parcela da água no tanque, para assim misturar com o ar ambiente, armazenar dentro de um vaso (sob pressão), resultando na dissolução do ar.

A água é então introduzida na câmara de descompressão junto com o efluente, no entanto agora esse virá sem a pressão, expandindo assim em cada floco presente nele.

Tal mistura então é repassada a um tanque de flotação, permitindo assim a sua separação e então remoção. A remoção é comumente feita por pás raspadoras, que são acionadas pelo sistema de correntes, geralmente tracionadas por um motoredutor.

Finalmente, o flotado é então encaminhado à câmara onde será reencaminhado ao reservatório do cliente, e o clarificado é separado e conduzido a uma outra câmara que possui tubulação flangeada, onde o próprio cliente define seu destino.

Esse sistema pode ser aplicado em diversas vertentes, como, por exemplo: água potável, águas residuais, indústria alimentar, indústria de celulose, indústria petrolífera e, até mesmo, aterros de resíduos.

Trabalho em conjunto

Atuando mutualmente, as empresas hoje devem ficar atentas também ao avcb, documento necessário que atesta que o empreendimento está apto às condições de segurança contra incêndios.

Seu uso se faz necessário em construções e reformas, mudança de ocupação de uso, ampliações da área construída, regularizações de áreas de risco e edificações e construções provisórias.

Como tal documento tem prazo de validade de 1 a 5 anos, a renovação avcb se faz necessária após o termino desse período, podendo ser solicitada online, sem que seja necessário sair de sua residência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *