A avaliação de áreas contaminadas faz parte de uma série de medidas obrigatórias para que os impactos exercidos sobre o meio ambiente por conta das variadas intervenções humanas, como as atividades da construção civil, sejam devidamente mensurados e revertidos.

No artigo que você confere a seguir, saiba mais sobre os procedimentos mais comuns quando estamos falando de avaliação ambiental e confira como cada um deles pode contribuir diretamente para mais eficiência, segurança e preservação.

Análise de contaminação

Para promover a integridade e a proteção da população ao redor da área e também para garantir os recursos ambientais existentes em seu entorno, o Gerenciamento de Áreas Contaminadas é um dos processo mais empregados, sendo uma solução ambiental de alto desempenho.

Mas o que são áreas contaminadas? Tecnicamente, considera-se assim um terreno, um local, uma instalação, uma edificação ou mesmo uma benfeitoria que apresente níveis ou concentrações expressivas da presença de substâncias ou resíduos que podem prejudicar a saúde das pessoas e a correta preservação ambiental.

Desse modo, é obrigatório por lei fazer o controle da poluição provocadas pelas indústrias, por exemplo, tendo como uma das principais iniciativas o controle das áreas contaminadas. Esse processo é formado por uma série de etapas em ordem específica, pois cada uma delas tem um desempenho significativo na próxima.

Com a realização de todas as etapas, o gerenciamento é completo, tendo alcançado a identificação, o diagnóstico, a intervenção e o monitoramento dos resultados.

Geralmente, é um órgão público quem realiza a gestão ambiental dessas áreas, cuidado para que cada região do país possa fornecer o máximo desempenho em segurança ambiental. Por meio da análise, portanto, é possível classificar as áreas em:

  • Área com potencial de contaminação (AP);
  • Área suspeita de contaminação (AS);
  • Área contaminada sob investigação (Ai);
  • Área contaminada sob intervenção (ACi);
  • Área em processo de monitoramento para Reabilitação (AMR);
  • Área reabilitada para o uso declarado (AR).

E se a contaminação for mesmo identificada?

Muitas vezes, durante o estudo sobre as condições de um determinado solo ou região, são identificados níveis significativos de agressão à saúde humana e ao meio ambiente, de forma que é preciso intervir de maneira prática, ágil e precisa para garantir a reversão do quadro.

Sendo assim, a Remediação de áreas contaminadas é um procedimento que tem como principal finalidade, como sugere o próprio nome, reverter a situação de contaminação encontrada em determinado ambiente ou local.

Esse processo tem como objetivo, portanto, remover a fonte contaminante, reduzir a contaminação no solo e também das águas subterrâneas até que sejam obtidos dados aceitáveis, reduzir os variados riscos aos trabalhadores e usuário do local ou do recurso presente e, por fim, minimizar ao máximo o impacto ambiental detectado.

Por isso, é de suma importância inicialmente fazer uma identificação precisa da área, conhecendo de perto duas condições originais e as condições em que ela se encontra durante a análise, especialmente porque isso vai apontar para as melhores soluções disponíveis no sentido da remediação.

Vale lembrar, ainda, que a medida de remediação adotada deve levar em conta:

  • Características intrínsecas da área;
  • Conhecimento do cenário local;
  • Conhecimento da extensão de contaminação;
  • Situação das vias de contaminação.

Isso sem falar que é necessário também se atentar para o atendimento à legislação ambiental vigente, de modo que estamos falando de um processo cuidadoso e que deve ser feito por profissionais devidamente qualificados para esse tipo de estudo, ainda mais quando se trata de uma área que possui problemas de variados tipos ou um nível de contaminação muito elevado.

Itens importantes

As linhas industriais precisam contar com itens que otimizem os procedimentos internos, inclusive com relação aos estudos ambientais.

Desse modo, vale a pena utilizar materiais especiais que possam auxiliar em vários sentidos, como é o caso do lençol de borracha, fabricado em diferentes larguras, espessuras e comprimentos conforme as demandas da aplicação.

Lençol de borracha preço pode variar de acordo com esses fatores. É possível ainda, contar com modelo com ou sem a inserção de telas. Esse produto é ideal para:

  • Forros de bancada;
  • Arruelas;
  • Apoios de ponte;
  • Revestimentos.

Vale lembrar que o emprego de materiais e equipamentos de qualidade é refletido diretamente no padrão dos produtos e também dos serviços oferecidos.

Além disso, vale a pena investir em consultoria sobre questões ambientais, garantindo a atuação benéfica e rentável de um empreendimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *