Hoje, fala-se muito nas questões relacionadas ao meio ambiente. Afinal de contas, o aquecimento global aparace, frequentemente, mostrando suas consequências.

De acordo com um estudo feito por uma universidade de Berlim, o calor no mundo aumentou cerca de 4 ºC. Isso significa que muitos problemas podem surgir.

Uma das formas de diminuir esses impactos é realizando tratamentos e proteções do meio ambiente. Seguir as normas de gestão ambiental, engenharia ambiental e realizar o tratamento de efluentes industriais são algumas das prioridades.

O que são efluentes?

Para conseguir lidar com esses problemas, é ideal saber, primeiro, o que são os tais efluentes industriais. De maneira resumida, eles são resíduos (que podem ser líquidos ou gasosos) que vêm das atividades industriais e são descartados no meio ambiente sem o devido tratamento.

Esses efluentes são prejudiciais ao ar, às águas e à terra. Com isso, nós causamos muitos outros problemas para a nossa natureza.

Por conterem características químicas e tóxicas, é preciso realizar um tratamento desses resíduos antes de serem descartados. Por isso, surgiu a estação de tratamento de efluentes industriais.

Como funciona uma estação de tratamento?

Em geral, as estações de tratamento de efluentes são divididas em duas: aquelas que tratam os resíduos domésticos e aquelas que tratam os resíduos industriais. Isso, porque esses efluentes acabam sendo muito diferentes.

Os primeiros são bem menos danosos e poluentes, enquanto os segundos são mais perigosos.

Por causa disso, a primeira atividade de uma estação que atua com resíduos da indústria é a análise de efluentes industriais. Apenas assim será possível saber como lidar com determinados resíduos.

Para compreendermos melhor, basta pensarmos que há uma enorme quantidade de indústrias de diferentes setores, que podem conter diferentes tipos de características químicas.

O tratamento desses efluentes é dividido em duas grandes etapas: a físico-química e a biológica. Na primeira, separa-se a parte sólida da parte líquida por meio de processos químicos. Já na segunda, bactérias e micro-organismos realizam a limpeza mais profunda, retirando a matéria orgânica poluente.

Dentro dessas etapas, existem outras, que são:

  1. Pré-tratamento – gradeamento e desarenação;
  2. Tratamento primário – processos físico-químicos;
  3. Tratamento secundário – processos bioquímicos aeróbicos ou anaeróbicos;
  4. Tratamento dos subprodutos;
  5. Tratamento terciário – redução das últimas substâncias;

Assim, as também chamadas de empresas de tratamento de água industrial são fundamentais para que os efluentes não sejam dispensados no meio ambiente me maneira errada e poluente. Porém, é importante lembrar que, mesmo após todo esse tratamento, a água final ainda não é potável!

Importância do tratamento de efluentes

Quando falamos sobre a importância do tratamento, a resposta é sempre a mesma: não prejudicar o meio ambiente. Mas o que isso, de fato, significa?

Para visualizarmos o problema de maneira um pouco mais clara, o IBGE nos apresenta um dado: são cerca de 15 bilhões de litros de efluentes que atingem a natureza todos os dias. Isso significa cerca de 5 trilhões ao longo de um ano.

Esses resíduos, quando não tratados corretamente, contaminam o solo, os lençóis freáticos, a água e geram doenças nos animais, nas plantas e, consequentemente, em nós, humanos.

É claro que realizar o tratamento adequado não é simples. São muitas características específicas e diferentes em cada uma das indústrias, sendo necessário um tipo de processo para cada efluente.

Porém, quando comparamos com os danos que isso pode causar, todo o trabalho acaba valendo a pena. Lidar com as consequências disso acaba sendo ainda mais problemático.

Além dos problemas já citados, essa poluição ainda causa redução do oxigênio nas águas, o que leva à morte dos seres vivos aquáticos, e até mesmo à impossibilidade de utilizar a água para nosso próprio banho.

Os resíduos e efluentes gasosos também precisam de tratamentos adequados. Filtros e análises desses poluentes são essenciais, para que nossa camada de ozônio não se danifique ainda mais.

De acordo com a lei, as indústrias são responsáveis pelo tratamento de cada efluente. Porém, ainda assim, há muitas indústrias que não realizam esse trabalho, por acharem caro e trabalhoso.

Isso acontece, pois, muitas vezes, elas não analisam o futuro e não fazem uma relação mais profunda sobre as consequências.

É preciso lembrar que cuidar da natureza não é mais apenas um tópico para ser ensinado na escola. É uma realidade que precisa ser observada e levada a sério o quanto antes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *